Grupo hoteleiro diRoma alega impacto pela pandemia e demite mais de 500 funcionários, em Caldas Novas

Economia / 791

Segundo associação, 9 mil funcionários do setor de turismo foram demitidos na cidade. 
 
Decreto municipal proíbe o funcionamento de clubes e hotéis desde o dia 22 de março.
 
O Grupo diRoma, que atua no setor de hotelaria, demitiu mais de 500 funcionários que trabalhavam em 20 hotéis de Caldas Novas, na região sul de Goiás. Segundo o grupo informou à TV Anhanguera, as demissões foram provocadas pelo impacto causado pela pandemia do coronavírus. Um decreto municipal determina que clubes e hotéis não funcionem desde o dia 22 de março.
 
Em entrevista à TV Anhanguera, a proprietária do grupo diRoma, Magda Mofatto, afirmou que os funcionários dispensados trabalhavam nos setores imobiliário, de mineradora, construção civil, hotelaria e administrativo. Ela disse ainda, que pretende, após a pandemia, recontratar os funcionários.
 
"A nossa grande preocupação é poder reabrir o mais rápido possível e pode fazer a recontratação desse pessoal todinho, que involuntariamente nós tivemos que demitir por falta de fluxo de caixa. Ao fechar as portas, como fomos obrigados pela pandemia, nós passamos a não ter nenhuma receita", disse.
 
De acordo com a Associação Regional das Águas Quentes de Goiás (Aqua), o setor de turismo gera cerca de 18 mil empregos formais e informais na cidade, sendo 11 mil diretos e 7 mil indiretos. Desde o início da pandemia, segundo a entidade, cerca de 9 mil funcionários tiveram de ser dispensados.
 
 
O presidente da Aqua defende a retomada gradativa do turismo na cidade. De acordo com Marcelo Palmerston Lemos, foi apresentado um protocolo operacional para a retomada das atividades turísticas no município.
 
"Fizemos uma proposta para o estado e para a prefeitura para que possamos retomar, utilizando todos os protocolos definidos pelas autoridades de saúde. O turismo em Caldas Novas é tão importante como as indústrias de medicamentos em Anápolis ou o comércio em Goiânia. O vírus vai circular mesmo com o turismo não funcionando", afirmou.
 
Já o prefeito de Caldas Novas, Evandro Magal (PP) afirmou, por meio de nota, que a reabertura da economia na cidade tem sido gradual e que o setor hoteleiro e turístico também terá sua reabertura programada, mas isso só será feito com o apoio do Governo Estadual, do Ministério Público, do Poder Judiciário e das autoridades de saúde (veja íntegra da nota abaixo).
 
Nota da Prefeitura de Caldas Novas
A Prefeitura avalia que, desde o início da pandemia da Covid 19, Caldas Novas foi modelo e vem sendo exemplo até o presente momento.
 
Que foi criado um Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid19 com integrantes dos poderes constituídos, sociedade civil organizada, e principalmente, com autoridades Sanitárias e Epidemiológica, e todas as decisões do município foram e serão tomadas, de forma colegiada e baseadas em estudos técnicos.
 
Afirma ainda, que a reabertura da economia tem sido gradual e que o setor hoteleiro e turístico também terá sua reabertura programada, mas avalia, que isso somente será feito com apoio do Estado, do Ministério Público, do Poder Judiciário e das autoridades de Saúde.
 
Afirma ainda, que o município não irá politizar uma questão de âmbito estritamente técnica e que Caldas Novas se prepara para retomar sua vida normal, mas com muita responsabilidade, e acima de tudo, com respaldo e decisão das autoridades de saúde pública.