Jovem empurrado de piscina a cinco metros de altura em Caldas Novas apresenta hemorragia

Policial / 328

Luiz Henrique Cavalcanti Romano, de 22 anos, foi empurrado de uma piscina de borda infinita em uma festa de luxo, na véspera de Natal

O empresário Luiz Henrique Cavalcanti Romano, de 22 anos, apresentou hemorragia nas últimas 24 horas. Ele está internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora Aparecida após ser empurrado de uma piscina de borda infinita em uma festa de luxo, em Caldas Novas.

De acordo com o médico Joaquim Guilherme Filho, o estado dele continua sendo grave, mas estável. A busca agora é saber o que tenha causado essa hemorragia no jovem. Por isso, ele foi submetido a vários exames e os profissionais aguardam o resultado. Além disso, Joaquim conta que o empresário quebrou a mandíbula, clavícula, oito costelas e uma vértebra. Não é possível falar de sequelas no momento, mas há a possibilidade.

Ciúmes

O caso aconteceu na última quarta-feira (24), véspera de Natal. Segundo Murilo Falone, advogado da vítima, o jovem parou na festa após parar em um bar e ser convidado por algumas das garotas que também passaram pelo estabelecimento e iam para a celebração. Murilo acredita que o crime pode ter sido causado por ciúmes.

“Luiz é bem apresentado. É bonito. Acredito que os envolvidos ficaram com ciúmes de Luiz no evento e fizeram o que fizeram. Meu cliente nunca o viu na vida. Não tinha qualquer motivo para essa confusão”, relata.

Imagens de câmeras de segurança mostram que uma briga teve início e algumas pessoas caíram na piscina. Luiz, que estava acompanhado por dois outros amigos, é agredido e um dos homens ainda aplica um golpe chamado “mata-leão” nele.

Após isso, o empresário consegue se desvencilhar e tenta sair da piscina. Nesse momento, o jovem identificado como Sérgio Júnior, de 24 anos, o empurra em uma altura de seis metros. O advogado da vítima, Murilo Falone, conta que três testemunhas foram ouvidas até o momento. “Elas relatam de forma uníssona que o meu cliente foi empurrado de forma dolosa”, afirma.

Segundo Murilo, Sérgio teria “dado de ombros” após a situação e ser questionado pelos presentes sobre a atitude que tomou. “As testemunhas ainda relataram que ele ameaçou as outras pessoas em empurrá-las dali também”, destaca.

“Mentira”

Após o ocorrido, segundo a Polícia Civil (PC), Sérgio veio para Goiânia e só retornou para apresentar à delegacia. O jovem confessou que empurrou Luiz Henrique, mas que não sabia da altura da queda.

A declaração foi classificada pelo advogado como “mentirosa”. “Ele entrou na residência por baixo, viu a altura de toda a estrutura. Isso é um absurdo! Ele já possui passagens criminais e estamos levantando indícios para pedir a prisão dele”, diz Murilo.

Mais tristeza da família

O advogado conta que a família está desesperada com toda a situação. “A mãe dele não come e nem bebe desde que tudo aconteceu. Ela ainda estava vivendo a dor do luto por perder a mãe [avó do empresário] e se depara agora com o drama da recuperação do filho. Como estamos vivendo essa pandemia, ela não pode nem ficar diretamente com ele dando forças”, relata.

Murilo contou que vai em Caldas Novas para maiores informações sobre o andamento desse inquérito. O caso estava sobre responsabilidade do delegado Rogério Moreira, que disse não ter conhecimento sobre os antecedentes criminais do suspeito. Ele também informou que o caso foi encaminhado ao titular do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), Alex Muller Lima.